A revolução com contracheque.

Quando você mistura ideologia, narrativa e história, qualquer disparate pode acontecer porque a ideologia quer controlar os acontecimentos passados para utilizá-los em suas pretensões quanto ao porvir. Foi assim que, em socorro aos revolucionários de guarda-pó e toco de giz, surgiu uma História do Brasil feita sob medida para suscitar rejeição ao país amargura e revolta. A quem esse ânimo serve? Serve a todos que, numa revolução às antigas, sangrentas, fariam uso de valas comuns, de “paredóns”, de campos de concentração ou de gulags.

A lamentável história do Brasil contada à nossa juventude põe foco nas lixeiras. De modo sorrateiro, suas narrativas fogem das alturas e de todo brilho, de tudo que possa causar dignidade e criar orgulho cívico. Silenciam sobre nossos heróis. Buscam os baixios, os pântanos, e escondem montanhas porque elas insistem em permanecer iluminadas quando tudo mais se faz escuro. Sob a luz da grandeza e do amor à Pátria, revoluções não acontecem. Por que conhecer Caxias quando temos Marighella para estudar? Por que nos interessarmos pela vida de Mauá quando temos Prestes? Por que Maria Quitéria (quem?), Bonifácio, Nabuco, Tamandaré, Rio Branco, D. Pedro I, Pedro II, Isabel, Rui? Quem tem Caio Prado não precisa de João Camilo (quem?).

Por aí vai aquela que chamo de Revolução 2.0, a revolução sem dor física e com contracheque. Tendo sorte, carro oficial, subsídios de fundações internacionais. As velhas revoluções eram violentas. Tão violentas quanto mal sucedidas e fajutas, tão mal sucedidas e fajutas que até os comunistas que as fizeram ou apoiaram passaram a dizer que elas nunca foram realmente comunistas. É a narrativa dessa ideologia para sua própria história. Tais revoluções não eliminavam seus inimigos por ações pessoais, mas por classe social. Suas vítimas eram intelectuais, religiosos, proprietários rurais, empreendedores. Por aí, somando-se as parcelas, chega-se a algo como 100 milhões de descartes humanos. Apesar de toda a carnificina e do terror fracassaram de modo absoluto.

A Revolução 2.0 faz diferente. Desmonta a sociedade, dinamita seus fundamentos morais, sua cultura, sua estrutura de base familiar, desacredita e neutraliza as religiões que têm um Deus com a pretensão de ser maior e mais valioso do que o Estado. Coisifica o ser humano, transforma-o num boneco de sal diluído no grande coletivo. Promete ao homem uma liberdade sem obrigações e lhe entrega obrigações sem liberdade.  Promete-lhe direitos sem deveres e lhe entrega deveres sem direitos.

Encerro com exemplo local, caseiro, porto-alegrense, dessa historiografia. Em 3 de agosto de 2017, certa cronista local escreveu para ZH uma crônica afirmando o seguinte:

(…)  o fato é que sempre estivemos irreversivelmente lascados, pois desde que essa história começou (1500), foi um tropeço atrás de outro, um país descoberto por engano, por causa de uns ventos inesperados que conduziram as caravelas para outro destino que não a Índia e foram parar aqui sem querer, e quem dá importância ao que foi sem querer? Descuidos não são levados a sério, nunca fomos e jamais seremos a primeira opção nem pra nós mesmos. O Brasil é um acidente de percurso do qual se tenta tirar alguma vantagem para que o engano de rota não resulte em total perda de tempo.
Se você discorda, se ainda acredita que um dia seremos um país íntegro, digno, consistente, me declaro invejosa da sua fé. Sou uma ratazana descrente que não abandona o navio porque tem parentes no convés, apenas por isso.

 Essa crônica, creiam, foi tema do vestibular da UFRGS! Há bem poucos dias, a mesma autora publicou outra crônica contando que certo show de Caetano Veloso com a família a fez recuperar a esperança no Brasil…

E foi assim que Caetano, num domingo de agosto, servindo à narrativa e à ideologia, salvou o Brasil de sua sina histórica… O ponteiro do relógio segue seu curso e, para tantos, a vida passa no toque dessa banda.

Percival Puggina

Percival Puggina (76), membro da Academia Rio-Grandense de Letras e Cidadão de Porto Alegre, é arquiteto, empresário, escritor e titular do site Conservadores e Liberais (Puggina.org); colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil pelos maus brasileiros. Membro da ADCE. Integrante do grupo Pensar+.
Categorias

Deixe seu comentário