Alzheimer familiar: fatores hereditários geram risco de doença precoce

Alzheimer familiar: fatores hereditários geram risco de doença precoce

 

Por: Juliete Conceição das Neves

 

O Alzheimer está entre os tipos de demências mais comuns na literatura médica. Estima-se que no Brasil, cerca de 1,2 milhões de pessoas sejam acometidas pela doença, segundo a Organização Mundial de Saúde. A idade é o principal fator de risco para o Alzheimer e, na maioria das vezes, o diagnóstico chega após os 65 anos, quando surgem os primeiros sintomas: esquecimentos predominantes e dificuldade de lembrar sobre acontecimentos recentes são alguns sinais que indicam a doença.

O médico neurologista e professor de Medicina da Pitágoras Eunápolis, Dr. Frederico Lopes, explica o processo evolutivo da enfermidade. “A doença de Alzheimer normalmente preserva a memória antiga em detrimento de fatos novos. O paciente tem dificuldade para realizar tarefas, esquece onde guardou objetos, e, posteriormente, evolui para um quadro que o impede de desenvolver atividades rotineiras, dificuldade de processar informações e gerenciar a própria vida, caracterizando um quadro demencial”, afirma.

Apesar de ser mais comum em idosos, pessoas jovens também podem apresentar um déficit de memória, principalmente nos casos hereditários, em que o paciente pode receber o diagnóstico precoce, antes dos 65 anos, como alerta o especialista. “Quando há casos de Alzheimer precoce entre parentes de primeiro grau (pai, mãe e irmãos), há um risco maior de desenvolvimento da doença antes da terceira idade. Ainda que seja raro, é importante um acompanhamento médico para investigar os possíveis riscos”, aconselha o especialista.

Confira algumas orientações médicas para prevenir a doença:

  1. Ter sono de qualidade: durante o sono, o corpo realiza funções reparadoras. Noites mal dormidas podem afetar importantes funções cognitivas e fragilizar as atividades cerebrais;
  2. Atividade física diária: essencial para o pleno funcionamento de todo o corpo, o exercício físico desempenha papel essencial para as funções cognitivas.
  3. Controle de fatores de risco: doenças como diabetes, colesterol alto e hipertensão também podem afetar as funções cerebrais. Cuidar da alimentação e controlar doenças crônicas é fundamental no combate ao Alzheimer;
  4. Tempo de leitura: o exercício mental é importante para fortalecer as relações neuronais, reduzindo a presença de quadros demenciais.

 

Foto da capa: Divulgação

 

 

Roberta Zuge

Roberta Züge; diretora administrativa do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS); Vice-Presidente do Sindicato dos Médicos Veterinários do Paraná (SINDIVET); Médica Veterinária Doutora pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ/USP); Sócia da Ceres Qualidade.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,