Animais mais eficientes podem ser chave para reduzir emissão de metano no meio ambiente

Acordo assinado pelo Brasil e mais 100 países durante a Conferência do Clima das Nações Unidas (COP26) quer reduzir o poluente em 30% até 2030.

Por: Centro de Comunicação 

Com a meta de reduzir em pelo menos 30% as emissões de metano no meio ambiente até 2030, o Brasil e mais 100 países assinaram o Compromisso Global do Metano durante a 26ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), a COP26, realizada no início de novembro de 2021. O gás é um dos maiores poluentes da atmosfera terrestre e os brasileiros são o 5º maior do mundo na emissão deste, informam os dados do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG).

Neste contexto, a utilização de soluções nutricionais à base de aditivos naturais na dieta de bovinos aparece como aliada para esta questão, uma vez que esses animais produzem gás metano naturalmente em seu processo digestivo. Além de ser uma alternativa sustentável, o uso de aditivos Alltech, possibilita aumentar a rentabilidade do produtor ao mesmo tempo que pode diminuir a produção de gases de efeito estufa pelos animais.

De acordo com o gerente de vendas para bovinos de corte da Alltech, o zootecnista Rafael Benicá, grande parte do processo digestivo dos bovinos ocorre através da fermentação do alimento por bactérias simbióticas que vivem no trato digestivo do animal e esse processo pode variar muito em eficiência, acarretando em uma maior emissão de gases de efeito estufa para o ambiente. “O nosso trabalho como nutricionistas é fazer com que o animal seja o mais eficiente possível na conversão do alimento fornecido em carne ou leite e, uma vez atingido este objetivo, naturalmente o animal irá emitir menos gases ao ambiente”, explica.

Soluções

Para auxiliar na produtividade, a Alltech lançou recentemente uma nova visão do uso de enzimas, com base em diversos trabalhos científicos e a campo que comprovam um maior ganho de carcaça dos bovinos de corte que foram alimentados com Amaize e Fibrozyme. De acordo com Rafael, a atuação das enzimas nos ruminantes ocorre não só com a quebra dos alimentos, liberando mais nutrientes, mas também em mudanças das rotas bioquímicas no rúmen. “Estudos desenvolvidos no Brasil e no exterior demonstram que ocorre um aumento de até 9 kg de carcaça a mais para os animais alimentados com essas enzimas”, afirma o especialista.

 Sobre a Alltech

Fundada em 1980 pelo empresário e cientista irlandês Dr. Pearse Lyons, a Alltech oferece tecnologias inteligentes e sustentáveis para o agronegócio. Nossas soluções melhoram a saúde e a nutrição de plantas e animais, oferecendo como resultado produtos mais nutritivos para as pessoas, assim como um menor impacto ao meio ambiente.

Líder global na indústria de saúde animal, produzimos aditivos de leveduras, minerais orgânicos e ingredientes para a alimentação animal. Com o respaldo de mais de 40 anos de pesquisa científica, levamos adiante um legado de inovação e uma cultura única que enxerga desafios por meio de lentes empreendedoras.

Os mais de 5.000 talentosos membros de nossa equipe compartilham da visão Planet of Plenty™ (“Plante de Abundância”). Nós acreditamos que o agronegócio tem grande potencial de construir o futuro de nosso planeta, com um trabalho conjunto de todos, guiados pela ciência, tecnologia e o desejo compartilhado de fazer a diferença.

A Alltech é uma empresa de propriedade privada e familiar, o que permite nos adaptarmos rapidamente às necessidades de nossos clientes e nos concentrarmos em avançadas inovações. A empresa tem uma forte presença em todos os continentes, com sua matriz nos arredores de Lexington, Kentucky, Estados Unidos. Para mais informações visite alltech.com.br.

 

 

 

 

Foto de Capa: Divulgação/Alltech

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,