As Três Querenças ou Quereres

Sou feliz e nada me impede de sonhar. O sonho é refúgio de quem ama, e o amor é o martírio de quem sonha. Um paradoxo necessário. Não tenho pretensões ambiciosas, o que quero é viver. E viver é mais do que se angustiar por não saber como se vive e o que se perde por não aproveitar a vida, pois a vida não é vivida sem arrependimentos. Sentir que tudo é efêmero; que as lágrimas não duram mais que um instante no rosto; que ficar em frente ao relógio não fará com que ele traga de volta o tempo perdido. Tudo passa, tudo muda, nada aqui é eterno.
Quando a noite cair, por querer ou necessidade, tudo será revelado; e somente no entardecer das nossas vidas é que sentiremos o amargor do remorso por não ter vivido. É lamentar como as coisas acontecem sem perceber que coisas acontecem o tempo todo e não é porque você as esconde que elas deixam de existir. Acredito na verdade involuntária que se revela no menor traço de sentimento, transformando o orgulho em força. Eu creio na força do amor.
Quero um coração grande para amar, uma alma leve para viver e uma vida inteira para sentir.

João Marcos F. Neves

João Marcos F. Neves

Bacharelando em Filosofia pelo Centro Universitário Claretiano (CEUCLAR) e Instituto de Filosofia Nossa Senhora das Vitórias (IFNSV). Escritor do blog e da página literária Café e Contemplação.
Categorias ,