Tânia Martins

Tânia Martins

Um nome escrito

Por Tânia Martins / 7 de março de 2019 / Nenhum comentário

(Um nome escrito A fogo No coração.) Era uma grande ilusão. Um desesperado amor Que agora passado Não mais escreve poesias Nem sorri Para a vida. (mais…)

Leia Mais

Naquele dia

Por Tânia Martins / 23 de janeiro de 2019 / Nenhum comentário

Naquele dia Quando você passou E o sol parou Para lhe apreciar Eu compreendi Que na vida Há tantos mistérios, Tantos planos secretos, Conluios e esquemas Aos quais nunca Poderei questionar. (mais…)

Leia Mais

Era um amor desesperado

Por Tânia Martins / 15 de janeiro de 2019 / Nenhum comentário

Embora feito de estrelas, Magia, jasmim, Luar, canções. Era, sim, uma criança Feliz, brincando Na chuva; Sorvendo orvalho; Correndo pelo campo; Cabelo ao vento. Liberto: sem peias. Livre: sonhador. (mais…)

Leia Mais

( A sarça não arde.)

Por Tânia Martins / 19 de novembro de 2018 / Nenhum comentário

Distante dos olhos Enche o coração De angústia e dor. Lágrimas nem molham Mais; Nem escorrem; Amontoadas nos olhos, Escolhos a dolorir. Tentando luz, Tateando becos, Quebrando esquinas, Aparando arestas, Desejando sorrisos, Almejando festas, Sob a cruz, sem alarde Mas… a sarça não arde. (mais…)

Leia Mais

Eu te amo – 1

Por Tânia Martins / 5 de novembro de 2018 / Nenhum comentário

De longe, de perto por dentro, por fora de todo jeito de toda forma todo modelo… Adoro-te!!! Adoro-te na lua crescente, na lua minguante, sem quarto e sem lua. Adoro-te ao pé da cama, em cima dos montes, na linha do horizonte, na gostosura da serra, no pão dessa terra, (mais…)

Leia Mais

Há Caso?

Por Tânia Martins / 29 de outubro de 2018 / Nenhum comentário

Em todo caso Que faço Se já não sei o que faço Num caso todo? Se todo caso É um caso E nem sempre Um caso É todo caso Que faço Em cada caso, Se por acaso Um caso é Sempre um caso Quase sempre Chegando ao ocaso (mais…)

Leia Mais

Ao Professor

Por Tânia Martins / 25 de outubro de 2018 / Nenhum comentário

Se eu plantasse flores Para lhe ofertar Seriam lírios E rosas luminosas Que nascem da gratidão. Eu nada tenho. Nada sou. Sei que passo Como tudo mais Mas agradeço Pelo que me ensinou Nos dias longínquos, Há tanto tempo atrás!… Nunca agradeci. Fui indelicada e omissa. Hoje, através de uma (mais…)

Leia Mais

A canção traz a lembrança

Por Tânia Martins / 18 de outubro de 2018 / Nenhum comentário

De vocês, amores meus, Que deixaram esta vida!… Uma saudade amena Preenche o meu coração Enquanto agradeço Pelos bons momentos Que vivemos. Olho para a Vida E penso nos amigos Que aqui estão: Alguns nem vejo mais; Outros trilham outros caminhos; Uns já esqueceram; Outros, eu esqueci. Agora, a canção (mais…)

Leia Mais

HOLOCAUSTO

Por Tânia Martins / 8 de outubro de 2018 / Nenhum comentário

Impérios destruídos, cidades saqueadas pela fúria bárbara desenfreada. Sangue de inocentes, de vagabundos alagam ruas, encharcam tudo. Heróis pelo chão olham o mundo. Bêbados cambaleantes pisam conceitos, procuram um gole, procuram uma taverna, murmuram às paredes… “maldita guerra!…” Choros, lamentos feridas abertas na cara das gentes, pobre gente da terra (mais…)

Leia Mais

Tanto sangue chega ao rio!

Por Tânia Martins / 27 de agosto de 2018 / Nenhum comentário

Tanto sangue chega ao rio! Tanta angústia num lago Represada! Tantos seres em conflito! Tanta ferida aberta, Supurada! (… Olhos postos no azul De infinita solidão Um pobre infeliz Implora misericórdia E perdão.) Tanto desejo de ser feliz! De gozar as pequenas coisas Que a vida dá! Desejo ardente de (mais…)

Leia Mais