Casa e gavetas bagunçadas denunciam o adoecimento mental

Psicanalista alerta que desordem externa pode ser sinal de problemas emocionais

Por: Lilian Christine

A organização do espaço em que convivemos ou trabalhamos diz muito sobre nós, sobre nossa personalidade e nossa saúde mental.

Uma casa ou um ambiente de trabalho sujos, cheio de coisas acumuladas, desarrumadas não nos remetem a energias positivas, pelo contrário, o ambiente em desordem atrapalha e estagna, tornando o local pesado, afetando todas as relações dos indivíduos que ali frequentam e denunciando que há algo errado com o emocional de quem frequenta ou vive em locais com estas características.

A Psicanálise e a Psicologia concordam, que sua casa é você, assim como sua casa, você é. Ou seja, quanto mais desequilibrado é o ambiente externo, mas ele denuncia a bagunça interna do ser humano. Isto se dá porque, o nosso lar é o reflexo da nossa vida e de nós, e isso implica em tudo: físico, espiritual, sentimental, laboral, social e familiar.

Quando existe a desordem, seja aparente e bem visível ao primeiro olhar, ou mesmo, apenas bagunçado dentro de gavetas e armários, as chances de se estar sofrendo com estresse, fobias, depressão e confusão mental, é muito grande.

Visto que, a harmonia do ambiente é primordial para atenuar o estresse e a ansiedade interna, contribuindo para um melhor fluxo de energia.

Os lixos escondidos e acumulados em gavetas, por exemplo, assim como as roupas bagunçadas e acumuladas no armário, denunciam a procrastinação. O lixo pode ser retirado depois, as roupas organizadas em outro momento.

Tudo pode ser feito depois, amanhã. E assim, é a forma como o indivíduo conduz sua vida cotidiana: negligenciando suas emoções e sendo incapaz de tomar decisões e fazer escolhas no momento certo.

Por outro lado, pensando na mesa de trabalho, o acúmulo de papéis, canetas e livros, pode refletir uma mente mais criativa.

A pessoa que convive em um ambiente assim, pode ter uma personalidade intensa e com muita sagacidade e vontade de realizar várias atividades ao mesmo tempo. Inclusive, está sempre em movimento. Mas corre um sério risco de ser bastante ansioso, imaturo e impulsivo.

Porém, não pense que apenas a bagunça, o acúmulo de coisas e a desorganização evidenciam problemas relacionados à saúde mental. A limpeza exagerada e a atenção excessiva para a arrumação, também podem apontar para questões da mente relacionadas à compulsão por limpeza, transtornos obsessivos compulsivos (TOC), Transtorno de déficit de atenção por hiperatividade (TDAH), neuroses, ansiedade generalizada ou depressão.

Em muitos casos, o indivíduo busca na higienização em excesso, a distração para eliminar da mente pensamentos intrusivos e desagradáveis ou a fobia intensa de germes e bactérias. Por fim, mais uma vez, as questões aqui apresentadas nos remetem aos excessos do ser humano. Todo excesso reflete uma falta: organização e limpeza de mais ou desordem e sujeira demais, demonstram o desequilíbrio psíquico que a pessoa possa estar sofrendo.

Nestes casos, é preciso simplificar a vida e manter o que realmente vale a pena. Se livrar dos acúmulos, manter-se em ambiente limpo e organizado, sem sofrer, mas ordenando seu espaço externo e interno para se sentir mais eficaz e leve.

Enfim, fica, portanto, evidente que, o íntimo se reflete no espaço físico ao qual estamos inseridos. É importante buscar ajuda de um acompanhamento profissional adequado para reconhecer possíveis gatilhos e corrigir os excessos.

O objetivo é aliviar os pesos mentais que aprisionam o indivíduo refletindo o adoecimento da mente humana, através de hábitos mais saudáveis que visam amenizam o estresse e a ansiedade.

 

 

 

Foto de Capa: Divulgação

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,