COISAS ENGRAÇADAS

Há anos – mais de oito com certeza – que programo ser operado de “varizes da perna”, mas sempre adiando, não por medo, mas por falta de oportunidade. Agora que “fui aposentado como professor”, não estando mais ligado ao ensino onde permaneci de 1973 até dezembro último, disponho até de tempo e então há dois dias a cirurgia foi feita e estou “de molho, de pernas ‘pro’ ar, literalmente”. E nada tendo para fazer, além da leitura, comecei a pinçar aqui e acolá, coisas até engraçadas. Ligando a TV no canal da câmara assistimos uma sessão extraordinária onde cada deputado dispõe de um “minuto” apenas para dizer coisas de nada, praticamente. Um da Bahia, de sobrenome Brito, foi lá no microfone e anunciou que o Governador da Bahia irá entregar “mais de mil veículos às prefeituras, entre automóveis e motos”. E para dizer isso necessitou de uma prorrogação de tempo… Achei engraçado como engraçado acho a disposição e desenvoltura, tudo autentico por sinal, do Presidente Lula. E não importa o local onde ele esteja. Agora mesmo, a propósito da sigla “G” que agrupa países (assim há o G8, G20, etc.) ele foi primoroso quando em Goiânia , para uma plateia como soe acontecer de muito gente disse: “Crie um G que o Brasil está dentro”. “ Não tem país mais preparado para achar o ponto G que o Brasil”.  Claro que o público se derreteu em risos… O tal do “G” é uma criação e ficção por não comprovação científica do que seria “o ponto exato por onde as mulheres teriam prazer sexual”… Mas há outra do nosso Presidente ainda lá em Goiás. Abordaram o fato da interrupção de uma obra do governo para que se evitasse a extinção de uma espécie de “perereca” rara. E então disse: Graças a Deus! Perereca não pode extinguir nunca”… Sem dúvida alguma o Presidente tem verve e encanta o ambiente: a multidão apoia o seu “geitão”. Ou será com “J”?.

E passando de coisas engraçadas, mas de algo que realmente nos engrandece, surgiu para nós na leitura de hoje à tarde. Uma: estamos lendo o livro autobiográfico de João da Costa Falcão, que foi meu primeiro patrão, lá no “Jornal da Bahia” e um que mesmo a distância mantemos. Sabíamos de muitos tópicos da sua vida, mas agora temos por escrito de maneira suave, sem autopromoção . Uma vida cheia de momentos de grandes alegrias, idealismo, “utopias belíssimas”. Aos 90 anos ele já deixa escrito um modelo de pessoa. A outra: lendo Ruth de Aquino, última página da revista “Época”, edição de 22.02.10 que é por onde começo a leitura do semanário (gostaria de escrever como a D. Ruth e então deixaria de ser médico) encontrei: “Agradeço a todos os deuses por meu espírito invencível. Sou dono do meu destino. Sou o capitão da minha alma”. Palavras de Nelson Mandela, um negro que da história de vida mais exemplar e de exemplo para a humanidade que há 20 anos começou a derrubar os muros do racismo na África do Sul, chegando a Presidente, “Premio Nobel da Paz”. O mundo agora conhecerá a vida e a luta de Mandela porque foi levada para a tela e o filme com título de “Invictus” fará a divulgação para exemplo a ser seguido. Hoje Nelson Mandela tem seus 91 anos feitos. Ruth de Aquino termina dizendo: “Qualquer ser humano sabe quando está diante de um líder que o inspira a ser melhor do que é na realidade. “Invictus” (o filme sobre Mandela) é sobre isso. Sobre o poder da inspiração”…Claro que o resto do dia esqueci a questão das “pererecas e o ponto “G”.

Júlio César Cardoso

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado. Balneário Camboriú-Santa Catarina.
Categorias