Confissões

Quem não é bobo ou mal intencionado entende a decisão da nobre Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados que aprovou a concessão de prêmio ao ministro Alexandre de Moraes. É a mesma coisa que o atropelado entregar medalha de honra ao mérito a quem o atropelou. Sim, porque a dupla dinâmica TSE/STF tem atropelado o Congresso Nacional sem que se registre B.O. e sem – nem mesmo isto! – que o jornalismo brasileiro relate os fatos.

Só há um motivo para que o proponente, deputado Áureo Ribeiro, tenha praticado algo tão ridículo. Mesmo pelos obstruídos canais por onde transitam as notícias sobre os acontecimentos, o pouco que circula, circula. Nem todo o jornalismo internacional está deteriorado como o nosso; só nos países sob ditaduras o poder judiciário pratica ou carimba a censura; nas democracias, ela não recebe os aplausos que recolhe aqui. O excessivo ativismo do TSE, como era inevitável, chegou ao conhecimento internacional.

Era preciso, portanto, fazer um upgrade na reputação do processo eleitoral brasileiro diante das condições assimétricas e nada isonômicas em que se travou a campanha eleitoral. A entrega do prêmio “Transparência e Fiscalização Pública”, portanto, deve ter algo a ver com censura, com patrulhas digitais e com aplicação de sela, estribo, cabresto e rédea nas plataformas das redes sociais. O prêmio, com aprovação simbólica e apenas quatro votos contra, quer ser percebido como uma legitimação parlamentar de tudo isso.

Contestado pelos deputados gaúchos Marcel e Sanderson, o presidente da comissão e proponente da homenagem, na falta do que dizer, elogiou a “transparência” – valha-me Deus! – e a celeridade do processo de apuração. Que diabos teve isso a ver com “transparência e fiscalização,” que são os motes oficiais da premiação? Maravilha da tecnologia brasileira: contam-se de modo transparente 120 milhões de votos em três horas e seguem-se 11 dias de povo nas ruas.

A concessão do prêmio vale por uma confissão: para o lulismo, o serviço prestado foi tão valioso que mereceu reconhecimento; para a turma com processos no STF, a reverência preserva a pacata harmonia do ambiente.

Percival Puggina

Percival Puggina (76), membro da Academia Rio-Grandense de Letras e Cidadão de Porto Alegre, é arquiteto, empresário, escritor e titular do site Conservadores e Liberais (Puggina.org); colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil pelos maus brasileiros. Membro da ADCE. Integrante do grupo Pensar+.
Categorias

Deixe seu comentário