Dia do Humanismo e da Mentira

Primeiro de Abril é o Dia do Humanismo e também o Dia da Mentira.

A segunda comemoração (brincar com a mentira) é mais popular que a primeira (celebrar o humanismo).

À primeira vista parece não haver qualquer relação entre as duas celebrações.

Mas se penetrarmos no âmago das datas, identificaremos um elo entre o Humanismo e o Riso provocado pela mentira bem humorada.

É desumano não rir. A vida torna-se insípida se, em qualquer situação, refreamos o riso.

A quem nunca ri chama-se de casmurro.

O adjetivo, nada lisonjeiro, foi usado por Machado de Assis para título de um dos seus livros.

Publicado pela primeira vez em 1899, “Dom Casmurro” é uma das grandes obras do célebre escritor.

 Confirma o olhar penetrante de Machado sobre a sociedade brasileira. A temática do ciúme, abordada com brilhantismo nesse livro, provoca polêmicas em torno do caráter de uma das principais personagens femininas de nossa Literatura. A monumental Capitu.

Trazendo a reflexão para o campo do Direito, a opção pelo Humanismo Jurídico colocará como tábua de referência do labor legislativo ou herrmenêutico a permanente preocupação de fecundar o Direito para que sirva ao melhor convívio humano.

Um jurista-humanista nunca divagará pelos caminhos da perfeição dos silogismos, não se encantará com a geometria das formas jurídicas, não se perderá na abstração das doutrinas divorciadas da vida, das lutas e dos sofrimentos de cada dia.

Estará sempre atento às solicitações concretas, existenciais que presidem a nossa curta passagem por este mundo.

Só um ensino jurídico alimentado por uma concepção humanística será apto a formar juristas-humanistas.

Direito sem Humanismo é negação do Direito.

Direito sem Humanismo é Primeiro de Abril, cabe abjurar esse falso Direito no Dia da Mentira.

João Baptista Herkenhoff

João Baptista Herkenhoff

João Baptista Herkenhoff, magistrado aposentado, 74 anos, é professor pesquisador da Faculdade Estácio de Sá de Vila Velha (ES) e palestrante Brasil afora. Autor do livro Mulheres no banco dos réus – o universo feminino sob o olhar de um juiz (Editora Forense, Rio, 2009). E-mail: [email protected] Homepage: www.jbherkenhoff.com.br
Categorias