“Doar leite materno é um ato de amor em dobro”, afirma Queiroga em lançamento de campanha de doação

Ministério da Saúde incentiva que mulheres doem leite para a alimentação de bebês que não podem ser amamentados pela própria mãe, principalmente durante a pandemia

 

Por Ministério da Saúde

 

No Dia Nacional e Mundial da Doação de Leite Humano, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga iniciou a cerimônia de lançamento da Campanha Nacional de Doação de Leite agradecendo as mães de todo o Brasil que doam esse alimento tão essencial no início da vida de todos os bebês. Celebrada nesta quarta-feira (19/5), a data incentiva as mulheres que amamentam sobre a importância da doação.

“A amamentação é um ato de amor; a doação do leite materno é um ato de amor redobrado. Então, a todas as mães que doam leite para ajudar aquelas crianças que mais precisam, o meu cumprimento e o meu reconhecimento. É necessário que todos nos unamos para estimular essa iniciativa, e que ela possa ser cada vez mais replicada”, disse o ministro.

Com a mensagem: “Doe leite, doe esperança. Um grande gesto pode salvar a vida de quem mais precisa”, a campanha tem o objetivo de sensibilizar as mães sobre a importância de doar leite durante todo o ano, visando o aumento do número de novas doadoras voluntárias e do volume de leite humano coletado e distribuído.

Atualmente, o Brasil possui 222 Bancos de Leite e 220 Postos de Coleta. Em 2020, foram doados 229 mil litros, dos quais 157 mil foram distribuídos, beneficiando 212 mil recém-nascidos a partir da doação de 182 mil mulheres. Isso representa 64% da real necessidade por leite materno no País.

“O Brasil é referência internacional e possui uma das maiores redes de Banco de Leite Humano do mundo. Queremos sensibilizar todas as mulheres que amamentam, e sua rede de apoio, buscando ampliar cada vez mais essa prática”, destacou Queiroga.

ALEITAMENTO MATERNO

O leite humano é de extrema importância para o desenvolvimento saudável, especialmente de prematuros internados, que não podem ser alimentados pela própria mãe. Esses bebês têm mais chances de recuperação e, consequentemente, uma vida mais saudável, se a alimentação for feita exclusivamente com leite humano.

A medida beneficia a recuperação de prematuros e nascidos com baixo peso internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) Neonatais, além de contribuir para a diminuição da mortalidade infantil e desnutrição.

A cada ano, são estimados 330 mil nascimentos de prematuros ou com baixo peso no Brasil, o que corresponde a 11% do total de nascidos no País. Cada doação ajuda a salvar a vida dessas crianças, pois apenas 1 ml de leite é suficiente para alimentar um bebê a cada refeição, dependendo do peso e das condições clínicas. Para doar, basta estar em boas condições de saúde e não fazer uso de medicamentos que interfiram na amamentação.

DOAÇÃO E ARMAZENAMENTO

O leite doado pode ficar armazenado em frascos de vidro de boca larga e tampa de plástico, como os de café solúvel, por exemplo. É importante realizar a higienização da mama e lavar as mãos com água e sabão, além do uso de máscara. O leite colhido é analisado, passa por processo de pasteurização e é submetido ao controle de qualidade antes de ser disponibilizado às unidades neonatais.

Também é importante ressaltar que potes de vidro com tampas de metal, como os de alimentos em conserva, não são recomendados para o armazenamento de leite humano.

Para mais informações sobre como e onde doar, basta entrar em contato com o Banco de Leite Humano mais próximo ou ligar no 136. 

 

Foto de Capa: Divulgação.

Jornal do Sudoeste

Os comentários são de responsabilidade de seus autores.

Deixe seu comentário

Categorias ,