77 3441-7081 — [email protected]

O desafio de uma escola de samba para despertar um povo enfeitiçado

Desde o golpe de Estado que aconteceu no país que o povo vem assumindo uma espécie estranha de apatia diante de todos os desmandos de quem assumiu o poder sem a participação do voto do próprio povo. É necessário dizer que esse povo foi literalmente “enfeitiçado” pela narrativa da imprensa tradicional, especialmente da Rede Globo, da demonização da política, como se dela fôssemos nos libertar para vivermos na mais completa anarquia humana.

 

Desde a última grande greve geral em que milhões de brasileiros saíram às ruas para protestar e demonstrar sua insatisfação com as mudanças constitucionais do governo do “boca de envelope amassado”, que o povo acompanha anestesiado todas as incandescentes vitórias parlamentares dele e de sua quadrilha que assaltaram o poder da República brasileira.

 

Mas parece que precisou desse carnaval para alimentar a esperança de que o povo cansado de tanto levar chicote nos lombos comece a reagir à altura do que se faz necessário nesse momento, especialmente às vésperas da tentativa de Temer e Meirelles de imprimir mais um golpe contra os brasileiros que trabalham, ou seja, privatizar a aposentadoria pública.

 

Nunca na história de carnavais sensacionalizados pela Rede Globo, que coloca as escolas de samba do Rio de Janeiro como a única simbologia de uma festa que é popular no país inteiro, uma escola de samba protagonizou culturalmente uma necessidade geral do povo brasileiro, que é denunciar o maior erro político da história da civilização brasileira, que foi o golpe contra a democracia imprimido por indivíduos envolvidos em todo tipo de coisa errada.

 

Foi uma glória a Escola de Samba Paraíso do Tuiuti mostrar ao mundo inteiro ao vivo e em cores o que de fato aconteceu e está acontecendo no Brasil. Fossem politizados os jurados da Sapucaí e tivessem consciência da gravidade que enfrentamos, com a coragem que esta escola teve de denunciar o golpe de Estado e o estado de exceção por qual passamos, eles cravariam nota dez em tudo para a Paraíso do Tuiuti.

 

Se é a Globo que anestesia, enfeitiça e cega politicamente nosso povo, finalmente foi nela, que talvez com esse protesto em forma cultural, surgiu o primeiro elemento de revolta popular, para que o povo tire finalmente a venda dos olhos e ocupe as ruas, começando já na paralisação do próximo dia 19 de fevereiro!

Genaldo de Melo

Genaldo de Melo

Genaldo de Melo, 43 anos, sergipano radicado em Feira de Santana - Bahia. Gestor social e articulista. Desenvolve consultoria em elaboração de projetos sociais
Categorias