Queda capilar, dor no couro cabeludo e até calvície são alguns dos efeitos secundários da Covid-19

Por Ascom/ABCRC

 

“A Covid-19 intensificou o problema da queda capilar bem como o interesse do brasileiro pelo transplante, com muita gente aproveitando o isolamento para realizar a cirurgia e outros tantos perdendo cabelo devido ao estresse emocional causado pela pandemia e, para a nossa surpresa, também pela ação do vírus”, diz o cirurgião plástico Marcelo Pitchon, reforçando a importância do Congresso criado e presidido por ele e promovido pela Associação Brasileira de Cirurgia da Restauração Capilar (ABCRC) de 18 a 19 de janeiro com convidados nacionais e internacionais que são referência mundial em tricologia e tricoscopia.

Para ter uma ideia, foi verificado na Itália e também aqui, no Brasil, que, além da queda capilar poder surgir de duas a três semanas pós-Covid-19, alguns pacientes ainda têm riscos de apresentar dor, ardor, coceira e vermelhidão no couro cabeludo. Outro achado é que, agora, os pesquisadores também estão tentando associar a Covid-19 à calvície em acometidos pelos casos mais graves da doença. “Infelizmente ainda não temos estatísticas porque essas situações estão aparecendo agora, é tudo muito recente, mas, a experiência em consultório aponta que realmente tem havido um aumento significativo nesses tipos de atendimentos de contaminados pelo coronavírus”, comenta a dermatologista e palestrante Maria Fernanda Gavazzoni, professora da Universidade Federal Fluminense (UFF) e do Instituto de Dermatologia Professor Azulay, no Rio de Janeiro.

Segundo a médica, apesar da queda capilar pós-Covid poder ser tratada como uma queda habitual, provocada, por exemplo, por estresse ou uso de certo tipo de medicação, desde que o paciente não tenha sequelas do vírus que contraindiquem o cuidado, claro, a importância de consultar um médico especialista em cabelo (tricologista) o quanto antes se dá pela intenso incômodo no couro cabeludo e pelo risco de ficar careca. “Os estudos atuais tentam esclarecer se, assim como acontece na dengue, o coronavírus tem capacidade de penetrar no folículo capilar e, consequentemente, provocar uma perda acentuada de fios”, completa a doutora Maria Fernanda Gavazzoni.

Outro tema bastante atual discutido no Congresso foi o fato da alopecia frontal fibrosante atingir cada vez mais jovens. Quando esse tipo de calvície foi descoberta, nos anos 1990, ela era tão comum em mulheres maduras a ponto de ser chamada de alopecia pós-menopausa. “Hoje, o mais novo relato que temos é o de uma garota de apenas 18 anos com essa doença, caracterizada pela perda de cabelo na linha que separa o fim da testa do começo da área onde nascem os fios. Como resultado, a impressão que se tem é que a testa está crescendo e que o rosto está perdendo a expressão, já que em 95% dos casos também há perda das sobrancelhas”, alerta a dermatologista e palestrante Aline Donati, de São Paulo. “A ciência ainda não descobriu porque isso acontece, mas desconfiamos que tenha a ver com o uso de cremes faciais. Outro problema é que o diagnóstico costuma ser tardio por uma série de motivos, entre eles o fato da brasileira demorar a notar o afinamento das sobrancelhas, já que tem o hábito de retirá-las, das manchas que surgem na testa serem confundidas com melasma, da vermelhidão ser associada à rosácea e da alteração de textura da pele ser entendida como um sinal do envelhecimento; e novamente mais cosméticos tendem a ser prescritos, o que poderia acentuar ainda mais o problema”, diz a médica. Em tempo: a alopecia frontal fibrosante ainda não tem cura, mas tem tratamento para evitar seu avanço, entre eles o uso de anti-inflamatórios por via oral e infiltração local de corticoides.

 

Foto de Capa: NINA BUDAY/SHUTTERSTOCK.

Jornal do Sudoeste

Categorias ,