77 3441-7081 — [email protected]

A Síndrome de Protusco que cegou os algozes de Lula

 

Metaforicamente falando, o grande problema de algumas pessoas que acham que têm luzes demais é sempre achar que toda escuridão é cega. Pensam alguns formadores de opinião de que o Estado deve ser instrumento para poucos, que a base social que mais precisa do Estado como coisa em si é formada de gente que pode ser manipulada naturalmente a partir dos instrumentos de comunicação, principalmente da imprensa tradicional aliada da direita brasileira.

 

Defender a idéia nas entrelinhas, que mesmo numa democracia em frangalhos como a nossa, que o voto de quem não ocupou uma cadeira na universidade, ou mesmo não teve a condição de ler um livro de história, seja diferente daquele voto do cidadão proprietário dos meios de produção nesse país, é o grande erro de grande parcela da elite política desse país.

 

O resultado está aí diante dos olhos de todos, pois quando a grande parcela dos formadores de opinião da direita brasileira tenta assassinar a reputação do ex-presidente Lula, ele naturalmente se estabelece como o único candidato que tem as legítimas chances de ser mais uma vez o Presidente da República brasileira. Esperneiam de todas as formas para tentar eliminar Lula do cenário político brasileiro, mais a escuridão intelectual do povo como pensam alguns, enxerga além daquilo que a narrativa do status quo tenta imprimir como verdade absoluta. Não está dando certo!

 

O escritor espanhol Baltazar Grácian disse em uma de suas máximas que a mais política das vinganças é o desprezo, e o grande erro desses iluminados das revistas coloridas e dos balcões de negócios dos meios de comunicação televisivos do país é que não conseguem esquecer e nem desprezar Lula, e ainda mais, falam mal de Lula todos os dias a mais de uma década e não conseguem apresentar uma prova “concreta” sequer de algum tipo de crime que ele possa ter cometido para trancafiá-lo numa cadeia.

 

A escuridão intelectual ou a ignorância política da maioria do povo brasileiro imprimida como uma marca da existência de Lula como favorito para ser eleito mais uma vez para o Palácio do Planalto, pode está enxergando as coisas muito melhor do que os iluminados pelas luzes de néon dos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo. E contra fatos não existem argumentos!

 

Outro grande escritor, Adorno, fala do ridículo de ser inteligente, pois na grande maioria das vezes os mais inteligentes são sempre os primeiros a aderirem aos proselitismos, baseado em anacronismos com roupas novas e coloridas. Trata-se provavelmente da síndrome coletiva de Protusco de seres que se acham iluminados, mas que ficam cegos diante do fenômeno político chamado Lula, a mais de duas décadas.

 

E o grande problema das pessoas desse país que tiveram como Presidente por duas vezes Luís Inácio Lula da Silva é que aderiram muito rápido ao discurso de que Lula é incompetente apesar de ter sido o presidente do país, de que Lula é corrupto sem nunca se ter apresentado uma prova judicial convincente disso amais de uma década, enquanto que o povo que é considerado ignorante já enxergou de que tudo não passa de ardil político da direita brasileira para não deixar que as urnas escolham quem o próprio povo quer.

 

Quem quiser que chore! Mas a história na prática é cruel como a frieza de um túmulo com quem acha que pensa demais, pois quem pensa demais sempre morre de idiotice! No impedimento de Lula, as pesquisas eleitorais vem dizendo exatamente o contrário do que pensam os membros da superioridade bem informada, ou seja, quem ele colocar os olhos e dizer que é seu candidato subirá a rampa do Palácio do Planalto no dia primeiro de janeiro próximo.

Genaldo de Melo

Genaldo de Melo

Genaldo de Melo, 43 anos, sergipano radicado em Feira de Santana - Bahia. Gestor social e articulista. Desenvolve consultoria em elaboração de projetos sociais
Categorias