O principal remédio para essa doença política é o povo

Depois que perderam as eleições presidenciais de 2014, membros dos partidos políticos de direita no Brasil não fizeram outra coisa senão contribuir para que o país cada vez mais ficasse doente politicamente. Sujeitos que sempre estiveram envolvidos no que existe de mais nojento em nossa política, principalmente a usurpação da coisa pública para despolitizar nosso povo, comprando assim votos e consciências alheias para se manterem em posição permanente de poder, somente transmitiram suas próprias doenças políticas para a sociedade.
 
No Brasil não havia o ódio político, e todo mundo sabe muito bem disso. O grupo político que venceu quatro vezes seguidas nas últimas eleições presidenciais foi o mesmo grupo que perdeu antes desse processo também quatro eleições seguidas, mas não colocou o povo brasileiro para se odiar por paixões políticas. Desse modo, fica bem mais fácil para quem não resiste à raciocínio compreender que o Brasil está cada vez mais adoecendo, porque são doentes os representantes políticos que estão no poder central sem o voto do povo.
 
O discurso contrário a esse raciocínio de que politicamente uma parcela da sociedade brasileira está ficando doente e querendo contagiar o resto da mesma, cai por terra quando vemos esse fenômeno político (que deve ser no futuro estudado por cientistas políticos e sociólogos) da mais descarada insistência de Michel Temer e sua turma em utilizar toda a estrutura da máquina pública para permanecer no poder a qualquer custo, contra tudo e contra todo o povo brasileiro.
 
Não é normal um homem que rejeitado politicamente por 95% do povo que representa, ser o único Presidente da República a ser denunciado por corrupção passiva e obstrução de justiça, e conseguir maquiavelicamente permanecer no poder utilizando a força do dinheiro público, via concessões bilionárias e liberação de emendas também bilionárias. Não é normal para uma sociedade que deveria ser chamada de sadia ouvir de um deputado federal que esse governo deve liberar rios de dinheiro para os seus aliados e os outros que bebam água e esperem…!
 
E seria não somente o cúmulo do absurdo, mas também extremamente doentio, dizer que quem está doente é o povo porque quer Lula de volta. O povo em sua grande maioria como provam as pesquisas, principalmente do Instituto Datafolha de propriedade de gente que defende esses doentes que estão no poder, querem de volta Lula, talvez nem mesmo porque considere ele o melhor, mas porque está descobrindo aos poucos que não pode e não quer ser governado por doentes terminais, que destruíram a democracia brasileira.
 
 
Com tudo isso, o país que é formado por cerca de 207 milhões de habitantes não pode e jamais deve se render a essa epidemia doentia de apenas poucos cafajestes, que acham que deve manter uma doença no poder, por causa de concessões e emendas parlamentares, que já ultrapassam R$ 32 bilhões, quando se fala tanto em austeridade fiscal contra o próprio povo. Mas quem tem que reagir é o próprio povo, e precisa urgentemente de seus legítimos líderes…!
Genaldo de Melo

Genaldo de Melo

Genaldo de Melo, 43 anos, sergipano radicado em Feira de Santana - Bahia. Gestor social e articulista. Desenvolve consultoria em elaboração de projetos sociais
Categorias