Trabalho, a grande comemoração!

Terminada a sua obra o criador a entregou ao homem, sua expressão maior, o planeta. Junto a ela entregou o dever de lapidar tudo aquilo que fora feito em apenas sete dias! Tudo era bom, maravilhoso porém não era suficiente para que ele pudesse consumir tudo o que havia recebido com a precisão necessária para cada momento de seus dias. O criador, na sua infinita onisciência, criou o ferro, mas não os objetos cortantes, criou a água mas não as barragens para armazená-la, os frutos mas não as bebidas que delas derivaram, o vapor mas não as embarcações e assim por diante…

Dentro de um ardoroso processo de desenvolvimento econômico os métodos de transformação, dos produtos naturais, foram sendo apurados até chegarmos onde hoje estamos.  Nesse entremear de procedimentos vários fatores influenciaram o crescimento no sentido da promoção do bem-estar de todos.

Depois de termos saído apenas e tão somente das mãos de Deus chegamos à primeira revolução industrial, começada basicamente, na Europa, Inglaterra cuja finalidade foi a de ampliar os procedimentos produtivos. A essa altura da vida começou a haver um profundo hiato entre os que produziam e os que promoviam a produção.

O primeiro dia de  maio foi estabelecido, internacionalmente, como o dia dedicado ao respeito pela luta de todos aqueles que resistiram, reivindicaram e até tombaram para que hoje tenhamos um padrão da qualidade no trabalho que permita a todos produzir sem danificarem as suas vidas, no mundo democrático. Sabemos, entretanto, que esse privilégio social ainda não é acessível a todos os trabalhadores, mundo afora.  Não ignoramos, também, que grandes monopólios industriais continuam a se beneficiar da falta de legislações que humanizem as relações trabalhistas como acontece, a céu aberto, nos países menos favorecidos e que, cegamente, se utilizam dos trabalhos de mulheres, crianças e idosos para manter os seus lucros cada vez mais elevados e as suas dignidades cada vez mais no chão. Lucros esses que não lhes criam nenhum constrangimento perante todos aqueles que, sem voz e sem vez continuam eternizados no abandono social silenciosamente conivente…

O universo do trabalho passa por uma nova revolução a trazida pela pandemia que destrói o mundo e dizima pessoas em todos os lados do planeta. Hoje a comemoração não são as legislações conquistadas mas a manutenção do seu posto de trabalho.

Cícero Carlos Maia

Cícero Carlos Maia

Categorias